domingo, 28 de dezembro de 2014

Carlos acha o governo corrupto. "O governo é sujo", ele diz. E por que ele é sujo, seu Carlos? 
- Ora, porque ele é corrupto!
Carlos é servidor público federal e não gosta de trabalhar como servidor público federal. Ele gosta é do salário de um servidor público federal.
Nas segundas, ele chega mais tarde em casa para trair sua esposa e estaciona o seu carro numa vaga para deficientes. E chega em casa com perfume da amante.
Quando vai enfrentar alguma fila, dá um "migué" e a fura.
Nos domigos, ele sai com uns amigos para beber, conversar e jogar poker. Carlos volta para casa dirigindo bêbado, ouvindo a rádio, numa estação sobre política e resmunga "nam! tudo corrupto."
Carlos chega cansado -porque teve um dia cheio- às duas da madrugada, gritando porque não tem comida na mesa. Acorda a mulher. Grita mais. Ela, sonolenta, pede para dormir só mais um tiquinho e ele a levanta puxando-a e empurrando-a.
Ele espera a comida ficar pronta enquanto assiste algo na tv, ao som do choro tímido da esposa.
- Ô, meu bem. Já disse que te amo hoje? Você é linda. - Ele diz.
A tv a cabo de Carlos é gato. A energia da casa dele, também.
Carlos reclama aos berros, às três da manhã, que não existe mais pessoa digna nesse país. Diz que não vai votar em ninguém, porque nenhum político presta. Todos roubam. Todos são corruptos. Enquanto Carlos resmunga, Maria, sua esposa, com olhos inchados e assustada, põe a mesa.
- Esse país é uma vergonha! Diz Carlos, tentando sintonizar a TV.
- Esse governo é sujo! Esse governo é corrupto. O que você acha, amor? Tá insatisfeita com o nosso governo também? Fala Carlos, com a boca cheia... de comida e insatisfeito com essa política.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

ame-se
por fora
e por dentro
para que tu
respire amor
a todo momento
ame-se
por dentro
e por fora
e não se contente
com migalhas
em nenhuma hora.

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

acho que não dá,
não!
sinto falta de excitação
de ardência na tua boca
dos desejos da tua mão

meu coração vira um tambor
ao te ver
bate tão rápido
que acho que chego a desfalecer

tu me ensinou a voar
concertou minhas asas quebradas
que nunca tinham me feito voar
no máximo uns pulos
com pousos incertos

certa na certeza
que dói trair o meu sentir
mas é melhor pensar em ti
e em mim

racionalizar não é fácil
queria eu
com minhas asas novas
voar sobre tuas histórias

virei andorinha
e esse ano não vai ter verão
voarei sozinha
pela contramão.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

estar
sem procurar
motivos para ficar.
ficar
pelo bel prazer
de estar
sem se acomodar.
arder.
sentir.
reconhecer o amor
em si.
reconhecer o amor
em ti.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Quero renascer poesia Em tua pele Desenhando com a minha lingua Pintando com teus suspiros Todos os dias.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014