quarta-feira, 23 de outubro de 2013

amar, partir e estar partido
é a linha tênue entre o egoísmo e o altruísmo

você quer ficar
quer que o outro fique
não quer que nenhum abdique
mas ele parece viver melhor sem você
então, o que fazer?

partir, partir
para deixar a dor ir

ficar, ficar
para deixar o amor ganhar
e ter esperanças de tudo mudar

amar é acreditar até quando você não acredita

terça-feira, 22 de outubro de 2013

desistir
Fui.
Fui com a vontade de ficar.
Fui e deixei o relógio parado, sem pilhas; a luminária comprada em agosto, com indecisão de qual seria, sendo que no fundo, não importaria. Eu sempre quis testá-la, mas sempre quis que partisse de você. Eu, às vezes, até achei que você me faria uma surpresa. Eu chegaria e você teria colocado uma lâmpada nela. Parece pouca coisa, mas, eu ficaria feliz.
Deixei bilhetes que ainda não foram encontrados e que talvez nunca sejam.
Deixei um cachorrinho no qual me mordia muito, mas, às vezes, dançávamos uma dança estranha. Eu corria prum lado e ele pra o outro, numa dança-brincadeira e, depois, toda arranhada, eu corria pra cama.
Deixei uma escova de dentes, fotos, saudade, vontade.
Eu deixei tanta coisa. Espero que as lembranças não me matem.
Talvez eu não tenha deixado transparecer, mas fiquei feliz, muito feliz, muito muito feliz quando vi o quadro, que fiz pra você, na sua parede.
Acho que te deixei com o lado esquerdo da cama. Não consigo te imaginar do lado direito. E não só deixei, como peguei muitas coisas.
Deixei uma toalha vermelha. Deixei o que restou de uma frase na sua lousa. Olhando direitinho, ainda dá pra ler o trecho de "nosso estranho amor".
Eu, que disse que não saberia como seriam os meus sábados sem tua companhia, respondo hoje:
serão cheios de saudade.

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

terça-feira, 8 de outubro de 2013

5

dor e amor
não deveriam rimar

dor e amor
não deveriam combinar

amor, deveria prevalecer
a dor, deveria morrer.

4

o amortecedor
não funciona
pifou

tenho esperanças
que um dia ele venha
e amorteça a minha dor.

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

eu faço poesia
porque nunca aprendi a fazer sentido

eu faço poesia porque nunca aprendi a fazer
sem ti,
dor.

eu quero ser
um só ser
pra sempre
com você.
vai ver
tem nada a ver
eu brigar tanto
com você

vai ver
tem tudo a ver
eu brigar tanto
por você.
o amor vira céu
se
nu
vens
Eu deito
te vejo me despindo
tu me vê, sem forças, pedindo

e tu se perde em mim
no meu labirinto
que só cabe a ti.

Labirinto

nos meus lábios
no meu labirinto
na minha lábia
não importa
feche a porta
entre em mim
e se perca
no caminho
da volta.

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Meu menino tem olhos de jabuticaba e uma boca doce que dá água na boca.
Eu poderia descrever cada traço dele; de olhos fechados, vendada, como for.
Não preciso fechar os olhos pra senti-lo, é só lembrar do seu sorriso e olhos de menino; aqueles olhos que são um golpe baixo. Aqueles olhos que em uma briga, me desarmam. É como se olhassem pedindo paz. Aqueles olhos que dá pra perceber que sou amada. E espero que ele sinta o mesmo quando os olhares são correspondidos e, num segundo, sentem-se sincronizados; fecham ao mesmo tempo e o que combina depois são as bocas dançando, declarando amor.
Eu poderia passar o dia escrevendo, mas prefiro dizer o resto quando eu te ver e te olhar, porque aí eu vou dizer em silêncio e tu vai escutar. Eu juro que vou dizer o quanto me sinto amada. E juro também que vou te dizer o quanto que eu quero você -de dia, à noite e em cada amanhecer.